Ao que chegou!

Há dois mil anos atrás, um bebê de Nazaré ganhou três presentes. Do mago que veio da Egito, ganhou Ouro, presente dado a um Rei. O mago que veio da Pérsia, atual Irã, lhe deu incenso, usado nos templos e a marca de um grande sacerdote. Por último, o rei mago da Índia lhe trouxe mirra, usada para o remédio e também para embalsamar os mortos, para que o bebê fosse um grande médico e não se esquecesse da própria mortalidade.

Eu, sendo pobre, oferto a meu filho meus sonhos, meus amores e minha história. Francisco nasceu na última terça-feira aos pés do nosso Independência, na Maternidade Santa Fé. Em nosso quarto, o muro da Ismênia desenhava na janela o escudo verde e branco do meu time de coração, de forma que eu podia ver naquele espaço todos os meus amores reunidos.

Nenhum bebê atleticano ou cruzeirense pode ouvir de seu pai o que o Francisco ouviu no primeiro dia:

-Veja meu filho, olha lá nosso estádio!

Te prometo que assim como o fantasma de sua arquibancada velha ou nova ainda ressoa meus passos de criança e ainda pareço ter ali torcendo comigo velhos amigos que já se foram, sentados na ferradura, o Independência também abrigará e contará sua história. Ali derramei minhas lágrimas de felicidade e de tristeza. Que seja sua segunda casa, com sempre foi a minha.

Essa é a dádiva que te dou, filho: O América Futebol Clube.

Mais do que o clube, te dou o exemplo de um amor incondicional a algo tão abstrato e ao mesmo tempo tão onipresente quanto esse time. Se você se entregar a esse amor, sofrerá. Mas qual amor não nos faz sofrer? O que define o amor não é o sofrimento, mas o júbilo do amor correspondido, na forma de um gol que não se espera em um título.

Mais do que um time, te dou o amor da família americana. Assim com seu pai, verá nos rostos dos pedestres da Pitangui a sensação de que somos um só. Que junto desses pedestres, transitam todos aqueles que já amaram o América.

Prometo que trarei você sempre que puder aos nossos jogos, e te peço que me traga aos jogos se esse for o ditame da vida, quando os mais jovens passam a levar seus velhos pela mão. E que se um dia, daqui a muitos anos, talvez com seus próprios filhos, você estiver no estádio e eu não puder mais estar do seu lado, se lembre de mim e pense em como seu pai gostaria de estar ali vendo aquele jogo ao seu lado. Porque amor junto não é somado, é multiplicado.

Te dou todas as bençãos que tenho. Não poderei te poupar das dores do mundo, mas estarei junto com você em todas elas.

 

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s