Decadentes #185 – América 2×3 Cruzeiro (Campeonato Mineiro 2019)

Semifinal com clássico! Entregadas e questionamentos !

Download MP3 – Clique com o botão direito do mouse e escolha Salvar como / Save As
iPhone |  Android | Google Podcasts | SpotifyRSS  | TuneIn

Continuar lendo

Decadentes #184 – América 2×0 Caldense (Campeonato Mineiro 2019)

Jogo apertado, mas classificamos!

Download MP3 – Clique com o botão direito do mouse e escolha Salvar como / Save As
iPhone |  Android | Google Podcasts | SpotifyRSS  | TuneIn

Continuar lendo

Decadentes #183 – América 2×2 Guarani (Campeonato Mineiro 2019)

Partidinha chata, mas o programa foi bom. Participação especial do Alex e do João Luiz, torcedores do Guarani!

Download MP3 – Clique com o botão direito do mouse e escolha Salvar como / Save As
iPhone |  Android | Google Podcasts | SpotifyRSS  | TuneIn

Continuar lendo

Decadentes #182 – Cachorrada 3×2 América (Campeonato Mineiro 2019)

E perdemos pra cachorrada mais uma vez. Gols Ridículos , Matheusinho Expulso, Jussani naquele naipe.

Download MP3 – Clique com o botão direito do mouse e escolha Salvar como / Save As
iPhone |  Android | Google Podcasts | SpotifyRSS  | TuneIn

Continuar lendo

Decadentes #181 – América 2×0 Tupynambas (Campeonato Mineiro 2019)

Programa especial em homenagem ao dia das mulheres! Rayssa, Mel, Eduarda e Dona Zuzu deixam esses Zé ruelas dos decadentes no banco e assumem a titularidade!

Download MP3 – Clique com o botão direito do mouse e escolha Salvar como / Save As
iPhone |  Android | Google Podcasts | SpotifyRSS  | TuneIn

Continuar lendo

Reivindicando o espaço americano na mídia

Na última sexta-feira de fevereiro, fui surpreendido com a morte de uma velha amiga. O Colunista do América nos Diários Associados (Superesportes e Estado de Minas) Paulo Vilara se despediu dos americanos em sua coluna, informando que por motivos pessoais não mais a escreveria.

A esse amigo nunca conhecido pessoalmente que é o Paulo Vilara só tenho a agradecer pelos anos de dedicação ao América e pela eterna luta nas trincheiras que é manter o América vivo na imprensa. Quando em um espaço livre e diverso como a Internet já é difícil manter a chama acesa, nas máquinas editoriais deve ser ainda mais complexo.

Suas colunas não guardavam o monopólio da verdade, como um certo companheiro carioca do Superesportes, mas o germe da dúvida e a argumentação coerente, o que engrandecia seu texto. Quando discordei, ainda assim entendi seus pontos de vista e suas colocações. Fica o elogio desse grande colunista e suas 364 colunas em oito anos  e a certeza de seu sucesso em qualquer empreendimento a partir de agora.

A nós, americanos, fica a preocupação com a lacuna deixada pela coluna “Da arquibancada” em relação ao espaço do Coelhão e torço muito para que eu esteja enganado e nesta sexta-feira haja uma nova coluna americana. Não ficou claro em nenhum momento que nosso espaço continua vivo, o que é muito importante para nós! Espero sinceramente que esta coluna consiga chegar aos senhores Álvaro Duarte e Bruno Furtado, editores respectivamente do Estado de Minas e do Superesportes.

Para o americano, qualquer espaço nas mídias tradicionais é um cabo de guerra, pois sabemos que todo espaço tirado de nós é dado a nossos rivais. Eles, que já tem tanto espaço e onde qualquer idiotice estilo “Piscininha, amor” aparecem com destaque. Se um deles tivesse um time feminino campeão como o nosso foi, por exemplo, certamente teria mais destaque, o que facilitaria a permanência de patrocinadores.

Não se trata de uma “síndrome de vira-lata”, mas da constatação legítima de que somos parte do público consumidor dos meios de comunicação. O futebol é um dos últimos prazeres legitimamente analógicos que restam, pois nenhum Barcelona e Real Madrid televisionado consegue transmitir uma torcida vibrante e cantando ao seu lado. Da mesma forma, a mídia impressa ainda guarda em si o prazer íntimo da leitura da coluna do seu time enquanto toma um café ou a alegria do pôster impresso após um título. Mesmo o meio digital traz a alegria da pequena vingança em mandar um link com o título de uma vitória para aquele seu amigo cruzeirense ou atleticano.

Enquanto isso não acontece, vamos tocando daqui esse espaço americano que é o Decadentes. Somos poucos, mas representamos uma torcida resistente, tradicional e que merece respeito. A cada dia, cavando mais uma trincheira.

Grande abraço a todos!

Créditos da foto de capa: Mourão Panda(@photompanda)/América MG

 

Decadentes #180 – Juventude 2×1 América (Copa do Brasil 2019)

Desclassificação ridícula pro Juventude!

Download MP3 – Clique com o botão direito do mouse e escolha Salvar como / Save As
iPhone |  Android | Google Podcasts | SpotifyRSS  | TuneIn

Continuar lendo

Decadentes #179 – Boa Esporte 1×2 América (Mineiro 2019)

Pela 8ª rodada do Campeonato Mineiro 2019, o América foi na terra dos ETs e venceu o Boa por 2 x 1. Teve polêmicas, gols de substituto e Fernando Leal assistindo o gol deles.

Download MP3 – Clique com o botão direito do mouse e escolha Salvar como / Save As
iPhone |  Android | Google Podcasts | SpotifyRSS  | TuneIn

Continuar lendo

Por que?

Por que com o América?

Por que quando quase perdemos 21 pontos no caso Eduardo nunca se achou um culpado e muito menos este foi punido?

Por que insistimos nas velhas soluções para novos problemas?

Por que sempre perdemos o bonde da história, desde a recusa ao profissionalismo?

Por que perdemos um técnico no meio de um campeonato para um rival?

Por que esse técnico não foi substituído a altura?

Por que perdemos um mês de pré temporada durante a copa?

Por que deixamos alguém “realizar seu sonho em voltar a ser técnico” com o Drubcsky?

Por que repetimos o erro em deixar alguém “realizar seu sonho em voltar a ser técnico” com o Adílson Batista?

Por que montamos um time a base de empréstimos com taxa de vitrine baixíssima, sendo que jogávamos uma série A?

Por que a permanência do Serginho não foi viabilizada com algum empresário amigo, sendo que para trazer os encostos de outros times sempre se acha uma alma boa?

Por que insistir em um armador bichado e trazer um reserva que fez apenas um jogo?

Por que manter os mesmos atacantes que foram ineficientes no fraco campeonato mineiro?

Por que nosso mais bem pago jogador amarelou para bater um penal em seu ex-clube?

Por que o Luan bateu aquele pênalti “na boleiragem” , ao contrário de um pênalti de segurança?

Por que um atacante perde um gol na cara em um jogo de vida e morte?

Por que apoiar um conjunto de dirigentes que tem a cabeça no passado e teme o futuro?

Por que continuar torcendo pra esse time, o América Futebol Clube?

Essa eu sei. Continuo torcendo pois ali está consagrado o que eu sou, meu amor, minha vontade e minha alma. Sou americano e nenhum desses porquês me fará menos. Como disse Mário Quintana, “Eles passarão, eu passarinho”. O América um dia passarinhará desses abutres.

“Por falta de um prego, perdeu-se uma ferradura. Por falta de uma ferradura, perdeu-se um cavalo. Por falta de um cavalo, perdeu-se um cavaleiro. Por falta de um cavaleiro, perdeu-se uma batalha. E assim, um reino foi perdido. Tudo por falta de um prego.”

 

Crédito da Imagem da capa: Mourão Panda(@photompanda)/América MG

Carta ao Jogador do América

Companheiro em armas,

Escrevo a você às vésperas de nosso jogo contra o Fluminense. Sou um torcedor do América Futebol Clube, time portador da cor Esmeralda-Esperança e vivo a vida desse clube.

Queria dizer em primeiro lugar, que independente do que aconteça domingo, a torcida agradece a você a melhor campanha em Série A que já fizemos. Nunca chegamos, na era dos pontos corridos, a ter a possibilidade de fazer contas na última rodada para nossa permanência e muito menos dependermos apenas de nós mesmos. Somos emotivos, mas quando o julgamento da história acontece, somos justos e fieis a quem nos deu seu sangue.

A sua história de vida eu sei. Você já teve seu futebol questionado e já tentaram convencê-lo que o futebol não era pra você. Você teve lesões que colocaram em dúvida sua carreira e suas próprias escolhas. O Clube em que você está espelha esta história.

Desde que os meninos se reuniam em uma gameleira na Alvares Cabral com Espírito Santo em 1912, o América foi muitas vezes questionado em sua existência. Afinal, como pode esse clube existir em uma cidade que já contém outros dois clubes de maior torcida. Um disse que iria nos fechar, outro que iria nos absorver. Como você, persistimos em nosso sonho. Sofremos lesões muitas, incontáveis e contínuas. Fomos caçados pelos adversários incansavelmente. A primeira irrigação do CT onde vocês hoje treinam foi irrigada pelas lágrimas de um ex-presidente, que anos antes vendeu nosso único patrimônio, a antiga Alameda, para que continuássemos existindo.

Se domingo formos rebaixados, a vida continua. Como fênix, vamos nos reerguer pois é nossa história. Talvez você tenha estado naquela festa bonita ano passado contra o CRB.

Mas se permanecermos na Série A, meu companheiro…

Se permanecermos, estaremos fazendo história e você fará parte disso. Quando ganhamos a Série C em 2009, lembro do Euller gritar a plenos pulmões que “temos nosso lugar na história!”.  Verdade incontestável. Euller e seus companheiros fazem parte da história de um time que foi fundado por um negro quando um negro não podia nem jogar nos outros clubes da capital. Um time que lutou contra injustiças e foi excluído por três anos das competições nacionais apenas por buscar seus direitos. Fomos rebaixados ficando em 16º em um campeonato de 32 times. É uma história bonita demais e que tem um pedaço guardado pra você.

No jogo de domingo, estamos com você em campo. Acredito no seu futebol e na sua vontade. Contra nós, tudo dentro e fora do campo. Antes de entrar, faça uma oração se for de sua vontade e não se incomode com a torcida adversária. Não importa quantos sejam, nós estaremos lá com você. Nossa força será a sua. Dentro de cada camisa americana, um amor maior do que você imagina.

Somos uma torcida forjada a ferro e fogo. Se hoje somos poucos, é porque poucos resistiram a jogar o Módulo 2 do Mineiro, Série C e congêneres. Portanto, a torcida que você vê na arquibancada é o produto onde apenas os americanos mais apaixonados resistiram. Não temos vaidade e nem torcemos contra o vento. Nossa vaidade é saber que estivemos com o time sempre que ele precisou. Nenhum vento nos assusta. Somos moinhos, que usam da tempestade para cumprir seu destino.

Leve no escudo de sua camisa nosso apoio, nosso respeito e nossa união. Estaremos em fé com você naqueles 90 minutos que separam o Céu do Inferno.

Um grande abraço do seu companheiro em armas, o Americano!
Jairo Viana
twitter.com/jairovianajr

O grande americano Thiago Reis (Seu Nome, Seu Bairro) recebeu o texto o interpretou. Ouçam:

Download MP3 – Clique com o botão direito do mouse e escolha Salvar como / Save As

iPhone |  Android | Google Podcasts | SpotifyRSS  | TuneIn

Continuar lendo