O América e sua capacidade de nos levar aos mais diversos sentimentos.

Sexta, 01 de novembro, América lança sua terceira camisa.

Feia, bonita, linda, horrorosa, ridícula, foram alguns dos adjetivos que a torcida usou.

Particularmente, não gostei  da camisa, principalmente por causa do escudo, muito estranho.

Sábado, 02 de novembro, dia do jogo que pode nos levar ao G4.

A festa no Independência estava linda.

Do lado de fora todos com sorrisos no rosto, esperança de um resultado positivo.

Começa o jogo, os sorrisos ainda estão lá, mas agora tem o nervosismo da bola rolando.

O América domina a Ponte.

Pênalti para o América. Viçosa vai cobrar? NÃO! Mais uma vez o cobrador de pênalti deixa um outro jogador bater e, igual 2018, o cobrador desperdiça a cobrança.

Bizarro o que o tal de Azevedo fez. Não se pode bater um pênalti tão importante daquele jeito.

Os sorrisos somem, a angustia aparece.

O time continua pressionando, mas a pontaria e o goleiro deles não deixa o nosso gol acontecer.

O tempo passa e nada de gol.

São ouvidas vaias. Destinadas a um jogador.

O jogo acaba, nosso gol não acontece e o G4 fica para a próxima partida.

A saída do campo não tem aquela festa.

O sonho da série A ainda existe.

Mas o América tem que aprender com seus erros.

Amanhã tem mais uma batalha.

Abraços a todos,

Thales Maciel