Meu Herói, por Alexandre Dolabela Dias

Uma das coisas mais gratificantes em participar do Decadentes é prover espaço a todos os americanos. E foi nesse espírito que o Alexandre Dolabela Dias, leitor desse espaço e ouvinte do programa, leu a coluna de ontem do Rodrigo sobre o campeonato de 73 (73 – o ano que devemos repetir) e decidiu contar um pouco sobre o jogo em que o Neneca foi expulso, que reproduzo abaixo com a autorização dele. Parabéns pelo texto, Alexandre! Me emocionou muito, mesmo não tendo vivido este jogo e muito obrigado a você e ao Rodrigo por dividirem outros capítulos dessa história linda que é o América.


MEU HERÓI

Nunca tive um herói na infância. Falo de heróis  famosos tipo Zorro,  Super Man, Flash. Mas naquela tarde no Mineirão ele me apareceu…

Tarde cinzenta de domingo  no Gigante da Pampulha que recebia grande público apesar do mau tempo . Era um dia de dezembro de 1973  e meu América jogaria contra o Atlético  pelo Campeonato Brasileiro.  A nossa fiel e apaixonada torcida  fazia uma boa presença e a torcida do Atlético, numerosa e vibrante, ocupava a maior parte das arquibancadas.

Dois grandes times se enfrentariam no clássico. De um lado estava o Galo  que  fazia uma campanha regular no campeonato e tinha grandes jogadores  e o mítico Tele Santana como técnico. Do outro o Coelho que vinha de várias partidas invicto, grandes vitórias e cumpria espetacular campanha num longo Campeonato Brasileiro.

Na pré-hora do jogo, ainda nos bares do estádio, fui surpreendido pela gente americana ou pelo menos a maioria dos nossos torcedores estranhamente tomada de excessiva  confiança no triunfo. Confiança justificada, é claro,   pelo retrospecto do time e pela análise técnica de jogadores que vestiam a camisa verde e preta em 1973. Mas em verdade as considerações técnicas sobre os times e  o retrospecto no Campeonato, nada disso importava à apaixonada torcida. Sentia-se independentemente de qualquer análise que  para a gente americana  o jogo estava ganho, o jogo era nosso.

Dentro daquele imenso estádio e em meio àquela multidão um sempre cauteloso jovem “alamedino”,meu apelido de infância, tinha o coração dividido,  acostumado que estava  a ver o Atlético vencer o América na maioria dos jogos no início da “Era Mineirão”. O coração incontrolavelmente  verde queria cantar vitória mas a razão não permitia euforia e recomendava prudência.

Jogo equilibrado no início, com chances para os dois lados. Com o passar do tempo, porém, o Coelho foi dominando as ações e já no final do primeiro tempo de um clássico disputadíssimo o América mostrava um melhor futebol e ameaçava muito mais. A essa altura o placar já não mostrava o que acontecia em campo. Merecíamos pelo menos um gol, que não acontecia. Nossa torcida vibrava mas já transpirando ansiedade porque o placar não traduzia com justiça  as ações de cada time no gramado.

Começa o segundo tempo e o que era domínio passa a ser supremacia absoluta. Resultado: um gol de Cândido logo de início e, alguns minutos após grande domínio do Coelho, outro  gol de Pedro Omar.  O  2 a 0 do América só fez justiça ao que acontecia no jogo.

Delírio da nossa torcida que não parava de gritar. Do outro lado a torcida do Atlético atônita e silenciosa… Parecia naquele momento tudo muito fácil e placar consumado. O time de  Pedro Omar,Neneca, Vander, Spencer e Juca Show era o dono do jogo e o Galo  completamente dominado… Era só administrar a partida e aumentar o placar. Spencer, um dos maiores craques do América e do futebol mineiro chegou a ser substituído por  Alemão, que ainda teria papel importantíssimo naquele jogo espetacular.

De repente, porém, aconteceu aquilo que nem o mais pessimista  americano poderia imaginar.  Neneca,  que juntamente com Leão eram os dois melhores goleiros daquele Brasileirão é expulso de forma injusta  juntamente com Arlem do Atlético, que provocou a expulsão do goleiro. Lembro-me que fiquei atônito na arquibancada, não só porque perdíamos a nossa “muralha” mas também  porque já havíamos feito as duas substituições permitidas. Silêncio total entre a torcida americana nas arquibancadas do Mineirão, ainda mais quando o nosso jogador de meio campo Alemão, substituto do Spencer no jogo, se encaminhou em direção ao gol e colocou a camisa do goleiro reserva que mais  parecia um vestido no pequeno e baixo meio-campista .  Como consequência, era previsível que  teríamos de suportar uma grande pressão do Galo que nos via como um time “sem goleiro”.

E aconteceu exatamente assim. Nos minutos seguintes o Atlético foi desesperadamente pra cima do time americano , que se defendia como podia, com raça e técnica, inclusive com a participação importante do nosso Alemão, corajoso goleiro improvisado que para nosso alívio se desdobrava debaixo do gol.

Cinco minutos após a expulsão a pressão alvinegra ainda aumentava e  quando o coração adolescente daquele americano   já não aguentava mais e que um ou mais gols do Atlético seriam inevitáveis,  aparece no jogo, com força descomunal e surpreendente , um ser de outro planeta. Aquele que já era o melhor jogador em campo ressurge em  espetacular forma de um gigante: JUCA SHOW.

Passados 45 anos do dia daquele jogo ainda me emociono ao relembrar.

Aquele jogador  alto , de pernas longas e corpo ligeiramente encurvado, de forma corajosa e com uma categoria inigualável, resolveu mostrar a todos presentes  que naquele dia o jogo já tinha um dono. Aproximadamente aos 20  minutos do segundo tempo o herói americano decidiu: esse jogo a partir de agora é só meu.  Pareceu-me a partir daquele instante que a bola do jogo era só sua pois praticamente até o final do jogo  ficou com  ela, seja recuperando-a nas investidas  adversárias, seja fazendo inúmeras arrancadas em direção ao gol ou ganhando vários preciosos minutos de jogo nas laterais do campo . Para mim e para os presentes no gigante da Pampulha é até hoje  inacreditável :  em determinado momento do jogo com o adversário tentando retomar desesperadamente a posse de bola,  aquele “monstro” de corpo curvado e pernas tortas ficou mais de um minuto,quase dois minutos seguidos com ela nos pés, fintando em progressão e para os lados, cercado por vários jogadores do Galo, mas não dando a menor chance aos jogadores alvinegros de retomar a bola. Lembro-me que a grande torcida do Atlético emudeceu diante de tamanha categoria e coragem. Parecia-me e a todos que só existia JUCA SHOW em campo. Repito:nunca vi nada igual, até hoje.

Surgia ali no gramado do Mineirão naqueles minutos finais do segundo tempo do jogo , ainda que um pouco tardiamente na minha vida, meu grande herói.

E mais, a única vez que tive a certeza absoluta que  o América ganharia um clássico, mesmo que disputado em circunstâncias desfavoráveis.  E foi exatamente assim. O Atlético ainda marcou um gol meio por acaso perto dos 35 minutos  mas  não me apavorei: já tinha me dado conta que no jogo tinha um super-homem capaz de resolver tudo e que ele estava do do nosso lado.

Final América 2 x 1 Atlético para alegria e festa indescritível dos americanos na saída do Mineirão, fato que deixou marcas fortes, indeléveis, na minha memória e no meu coração.

Obrigado, muito obrigado Juca Show, pela imensa alegria que você me deu nos gramados do Brasil. Obrigado Juca , também pelos bons momentos que passamos  em estádios de Minas Gerais afora assistindo lado a lado na arquibancada até sua morte nos jogos do nosso querido América Futebol Clube.

Alexandre Dolabela Dias

Continuar lendo

73 – o ano que devemos repetir

Na década de 70, o campeonato brasileiro era bem diferente desse que conhecemos hoje em dia. Não existia ainda os pontos corridos e a quantidade de equipes participantes aumentou gradativamente ao longo dessa década. em 1971, no primeiro brasileiro eram 20, mas em 1979 tivemos 94 times participando.

E foi em meio a este cenário, sem rebaixamento e com 40 clubes disputando, que nosso Coelhão fez sua melhor campanha em um campeonato brasileiro. o Ano era 1973 e o campeonato era divido em 3 fases.

Na primeira fase, os 40 clubes foram divididos em dois grupos de 20 equipes cada. No 1º turno, os clubes se enfrentaram dentro dos próprios grupos em jogos de ida. No 2º Turno desta fase, ao invés de fazer os jogos da volta, os times foram divididos em 4 chaves de 10 clubes. Jogos também dentro dos próprios grupos.
Somando todos os pontos ganhos nesses dois turnos, os 20 clubes que melhores se classificaram foram para a segunda fase.

Na segunda fase os 20 clubes classificados foram separados em duas chaves de dez equipes cada. Jogos só em ida dentro dos grupos. Os dois primeiros de cada grupo, passaram para o quadrangular final.

A terceira fase foi um quadrangular, onde os quatro finalistas disputaram jogos só de ida, por pontos corridos, tornando-se campeão a equipe que somou mais pontos ganhos.

O América começou 73 com um time que não prometia muito. Mas equipe foi se acertando e terminou a primeira fase em 5º lugar. Na segunda fase até a terceira rodada liderou sozinho o campeonato. E, impressionante, ficou 17 partidas invicto. A equipe que se firmou era:

Neneca

Luís Carlos Beleza
Vander
Luís Alberto
Claudinho

Pedro Omar
Juca Show
Spencer

Eli Mendes
Cândido
Edson Ratinho

O time jogava bem, o cérebro e mentor das principais jogadas era Juca Show, mas o time era coeso, coerente e jogava um belo futebol. O comandante dentro de campo era Pedro Omar, único jogador que ganhou a Bola de Prata da Revista Placar jogando pelo América MG.

1971 - Pedro Omar

Time de 71 com destaque para Pedro Omar, que foi nosso líder na campanha espetacular de 73.

Em 17/10/1973, na 14º rodada do 1º turno, perdemos  para o Bahia, foi 2 a 1 para o time baiano e a torcida pegou no pé do goleiro americano Nego. Logo depois, a diretoria contratou o Neneca, vindo do Londrina, que foi um dos destaques da equipe e se sagraria campeão brasileiro em 1978 pelo Guarani de Campinas.

neneca 1973

Crédito: revista Placar – 14 de dezembro de 1973

Após esse jogo com o Bahia ficamos 17 partidas sem perder. Segue abaixo a listagem dos jogos, em negrito a campanha invicta:

PRIMEIRO TURNO

1ª Rodada – 25/08/1973 – Sábado
CRB 0x1 América-MG

2ª Rodada – 29/08/1973 – Quarta-feira
América-MG 4×1 Sport

3ª Rodada – 31/08/1973 – Sexta-feira
América-MG 1×0 Fortaleza

4ª Rodada – 06/09/1973 – Quinta-feira
América-RJ 1×0 América-MG

5ª Rodada – 09/09/1973 – Domingo
Cruzeiro 1×0 América-MG

6ª Rodada – 12/09/1973 – Quarta-feira
São Paulo 1×0 América-MG

7ª Rodada – 16/09/1973 – Domingo
Moto Clube 0x0 América-MG

8ª Rodada – 10/10/1973 – Quarta-feira
Internacional 1×1 América-MG

9ª Rodada – 22/09/1973 – Sábado
América-MG 0x0 Tiradentes

10ª Rodada – 30/09/1973 – Domingo
Coritiba 0x2 América-MG

11ª Rodada – 03/10/1973 – Quarta-feira
América-MG 0x0 Fluminense

12ª Rodada – 06/10/1973 – Sábado
América-MG 1×1 Guarani

13ª Rodada – 14/10/1973 – Domingo
Figueirense 0x0 América-MG

14ª Rodada – 17/10/1973 – Quarta-feira
América-MG 1×2 Bahia

15ª Rodada – 20/10/1973 – Sábado
América-MG 1×1 Botafogo

16ª Rodada – 25/10/1973 – Quinta-feira
Corinthians 1×1 América-MG

17ª Rodada – 27/10/1973 – Sábado
CEUB 0x1 América-MG

18ª Rodada – 31/10/1973 – Quarta-feira
América-MG 2×0 Paysandu

19ª Rodada – 03/11/1973 – Sábado
Nacional 0x0 América-MG

SEGUNDO TURNO

1ª Rodada – 10/11/1973 – Sábado
América-MG 0x0 Vasco

2ª Rodada – 14/11/1973 – Quarta-feira
América-MG 1×0 Botafogo

3ª Rodada – 17/11/1973 – Sábado
Flamengo 1×1 América-MG

4ª Rodada – 24/11/1973 – Sábado
América-MG 1×0 Fluminense

5ª Rodada – 28/11/1973 – Quarta-feira
América-MG 1×1 América-RJ

6ª Rodada – 02/12/1973 – Domingo
América-MG 2×2 Cruzeiro

7ª Rodada – 08/12/1973 – Sábado
Atlético-MG 1×2 América-MG

8ª Rodada – 12/12/1973 – Quarta-feira
América-MG 4×0 Figueirense

9ª Rodada – 15/12/1973 – Sábado
América-MG 2×1 Olaria

SEGUNDA FASE

1ª Rodada – 13/01/1974 – Domingo
Vasco 1×2 América-MG Maracanã (RJ)

2ª Rodada – 16/01/1974 – Quarta-feira
América-MG 4×1 Ceará Mineirão (MG) 

3ª Rodada – 19/01/1974 – Sábado
Tiradentes 0x2 América-MG Albertão (PI) 

4ª Rodada – 23/01/1974 – Quarta-feira
Palmeiras 3×1 América-MG Pacaembu (SP)

5ª Rodada – 26/01/1974 – Sábado
América-MG 1×2 Atlético-MG Mineirão (MG)

6ª Rodada – 30/01/1974 – Quarta-feira
América-MG 1×0 Corinthians Mineirão (MG)

7ª Rodada – 03/02/1974 – Domingo
Internacional 1×0 América-MG Beira Rio (RS)

8ª Rodada – 06/02/1974 – Quarta-feira
América-MG 0x1 Coritiba Mineirão (MG)

9ª Rodada – 09/02/1974 – Sábado
Bahia 2×2 América-MG Fonte Nova (BA)

Alguns destes jogos foram memoráveis, por exemplo, no segundo jogo conta o Botafogo, no Rio de Janeiro, em 14/11, Neneca jogou com o pai recém falecido e o reserva era um garoto da base, pois os outros 2 goleiros estavam machucados.

No jogo contra o Cruzeiro, em 02/12, fizemos 1 a 0 e o Cruzeiro virou para 2 a 1. Entrou o Dirceu Belisquete e no final do jogo ele pegou uma bola (era veloz e habilidoso) driblou o zagueiro central do Cruzeiro, o Perfumo, driblou o quarto-zagueiro, Procópio Cardoso, que entrou forte e arrancou a chuteira dele e, de meia, Dirceu Belisquete cara a cara com o goleiro Raul. fez o gol de empate. Foi sensacional!

Em 12 de dezembro foi a vez de outro clássico contra o Atlético MG, torcida do América maior que a do Atlético que não fazia boa campanha. Primeiro tempo 0 a 0. No 2º tempo Juca Show pega uma bola em nossa intermediária dribla uns 3 vai até a linha de fundo na risca da grande área e rola para Cândido que solta a bomba, América 1 a 0, o goleiro do Atlético era Mazurkieviszk, goleiro da seleção uruguaia na Copa de 1970, aquele que tomou o drible genial do Pelé. Alguns minutos depois Juca Show faz jogada semelhante e desta vez a pancada foi do Pedro Omar. América 2 a 0. Posteriormente em um lance, o ponta direita do Atlético , Árlem, fez falta dura no lateral esquerdo do América, Claudinho e Neneca deram socos nele, ambos foram expulsos. Só que o América já havia feito as 2 substituições permitidas na época e Alemão, que havia entrado no meio de campo durante o jogo foi para o gol. Nesse período Juca Show pegou uma bola em nossa intermediária e saiu driblando, para lá, para cá, para frente, para trás, para os lados, um SHOW mesmo! Segundo disseram, mais de um minuto com a bola. Um gênio! O Atlético fez um gol e terminou América 2 a 1 Atlético.

Na época eu estava com 13 anos/14 anos e ficávamos na parte de baixo da arquibancada onde ficava a torcida do América e todos tínhamos bandeira e saímos correndo nos intervalos dos jogos com essas bandeiras por toda a arquibancada do Mineirão, recebíamos aplausos. Eu, Beto (irmão) , Marquinhos (primo), Rui (primo), Renato (irmão in memoriam), Dadinho e outros mais, Éramos a inocência e aquela paixão pelo América!

Ao terminar a primeira fase (14 partidas invicto), uma briga entre o presidente e o técnico Orlando Fantoni resultou na demissão deste, que ao sair disse: “Uma pena, eu faria esse time campeão!”

No 1º jogo da 2ª fase no maracanã enfrentamos o Vasco, foi no início de janeiro, eles fizeram 1 a 0, Juca Show empatou e Cândido fez o gol da vitória, vencemos o Vasco no Maracanã, e no mesmo ano, o Vasco foi campeão brasileiro, mas de 1974. A torcida do América que foi em bom número ao Maracanã, foi cercada pela torcida do Vasco, em plena arquibancada, muito mais numerosa e foi covardemente agredida, com a detecção e certa passividade da polícia carioca. Mas em campo, Juca Show, foi SHOW, foi GÊNIO. Foi TUDO! Após o jogo algumas palavras foram:

– João Saldanha: “Vocês queriam um novo Didi? Está aí, Juca Show!”

– Nelson Rodrigues: “Zagalo: Você está intimado a convocar Juca Show para a Copa do Mundo da Alemanha!”

– Um outro que não me recordo: “Zagalo: A seleção brasileira é Juca Show e mais dez!”

– Armando Nogueira escreveu em sua boa coluna: “Seu nome é o Show!”

Nesta Segunda Fase, que se estendeu por janeiro e fevereiro de 1974, o novo técnico era Barbatana, que não tinha o mesmo prestígio com os jogadores que o Orlando Fantoni, mas com ele lideramos essa fase e perdemos o posto somente na 4ª Rodada, o que merece destaque, pois foi jogo com o campeão, Palmeiras e houve uma situação dele com Juca Show, o grande craque do América, que merece ser relatada.

Fomos enfrentar o Palmeiras em um Pacaembu cheio. América em 1º lugar com 6 pontos, Palmeiras em 2º lugar com 5 pontos e Juca Show e a equipe bem. O Palmeiras fez 1 a 0, Cândido (creio que 3º artilheiro do brasileiro 1973) empatou no 2º tempo, faltando 3 minutos para o final Neneca não segurou uma bola que foi parar na cabeçada do Leivinha e logo depois o Palmeiras fez 3 a 1 e foi para a liderança. Após esse jogo a equipe não ficou bem como estava , e ao final desta fase ficou 3 pontos atrás do 2º colocado (eram 2 chaves e classificavam-se 2 equipes de cada chave para a fase final) e não fomos para o quadrangular final.

Um aparte no texto pra falar desse ídolo: Juca Show (que após se aposentar, ia a todos os jogos do América, vibrava, chorava) disse que o comandante da equipe, o líder, era Pedro Omar e que dentro de campos se ajustavam, que gostavam muito do Orlando Fantoni (titio Fantoni) e nem tanto do Barbatana. Ele relatou que a família foi visita-lo no hotel em São Paulo, antes do jogo contra o Palmeiras e ele estava fumando, Barbatana chegou pegou o cigarro e o quebrou no filtro. Ele não gostou e à época não era incomum jogador de futebol fumar.

Mas merece destaque uma ocorrência com o craque Ademir da Guia, muitos anos depois: Um colega americano , fã dele (era excelente jogador) foi a um lançamento de um livro do Ademir da Guia, em São Paulo, creio que à época ele era vereador na capital paulista. Esse colega adquiriu o livro e disse ser fã dele e que torcia para o América MG. De imediato Ademir da Guia disse: “ América Mineiro? E como está o Juca Show?” O colega americano ficou meio surpreso e Ademir da Guia relatou: “Naquele jogo com o América Mineiro Juca Show estava muito bem e no intervalo chegamos nele eu disse: MANÉRA AÍ”. O craque Ademir da Guia mostrou consideração e respeito por outro craque e gênio Juca Show. Curiosamente, encontrei Juca Show em vários jogos do América, tomamos cerveja juntos e mesmo umas cachacinhas, conversávamos muito e ele por poucas vezes contava casos de futebol, mas nunca falou deste fato que ora relatei. Quando perguntei a ele, tudo foi confirmado ao que ele acrescentou que disse ao Ademir da Guia, Dudu: “Meu jogo é assim mesmo, eu parto para cima!”

Juca Show chegou a liderar a Bola de Prata da Revista Placar em sua posição, foi relacionado na lista dos 40 jogadores, que era uma pré-convocação, quando ao final ficavam os 22 jogadores da Copa do Mundo. Mas ele se machucou. Juca Show era paulistano, começou no São Paulo, indo depois para o Ituiutaba/MG, Fluminense de Araguari/MG, Independente de Uberaba/MG. América/MG, Náutico, jogou no Phanatinaikos da Grécia e segundo ele, Ajax na época de Cruyjf e Internazionale de Milão estiveram para contrata-lo. Quando perguntei a ele que com tanto futebol quanto ele mostrava porque não foi além e ele respondeu: “Foi a “marvada” eu gosto muito dela”. No Campeonato Paulista de 1969 (por aí) o Santos de Pelé perdeu para o Comercial de Ribeirão Preto por 2 a 1 na Vila Olímpica e o craque do jogo foi Juca Show.

Juca Show tem seu pé marcado na Calçada da Fama, no Mineirão. Um cracaço, genial!Juca-Show

Os principais destaque desse timaço do América de 73 foram:

Neneca: se firmou e se tornou um grande goleiro;

Vander: Chamado de Xerife Vander, delegado, era firme, seguro.

Pedro Omar: capitão, líder do time.

Juca Show: O cérebro, o craque , o gênio.

Spencer: Sempre positivo dava andamento às jogadas.

Cândido: Artilheiro do América e um dos principais do campeonato;

Depois do América a segunda maior sensação do campeonato brasileiro foi o Fortaleza, no ano, a melhor equipe do Nordeste. Os vencemos no Mineirão por 1 x 0 com gol de cabeça do Rangel. Na primeira fase lideramos também o campeonato brasileiro de 1973 com 3 vitórias nos 3 primeiros jogos, fomos líderes junto com o Palmeiras.

No cômpito geral, América ficou em 7º lugar e houve problemas com pagamento de salários , que à época era mais comum que atualmente. Enfim, um campeonato fantástico para nós, que só não foi de ouro por problemas que não poderiam ocorrer. Mas de qualquer forma, Série A, qualquer Série ou campeonato, SEMPRE AMERICA, COELHÃO, NOSSO AMERICA É O SHOW!

Este texto é uma homenagem a meu tio Valfrido de Carvalho que escutava a todos os jogos do América em Inhaúma – MG em seu radio elétrico (grande, “radião” como dizíamos), era irmão mais velho de meu pai e o influenciou a ser americano; E a meu saudoso pai Nilton Campolina de Carvalho, grande americano e excelente pai!

 

 


Texto de Rodrigo Pedroso de Carvalho, com complementos de Sérgio Tavares Salviano

Voltamos!

Estamos todos de volta! Esta coluna, o time do América, a primeira página da classificação do campeonato e a autoestima dos americanos.

Informo a todos que estou vivo após o jogo de ontem. Informo inclusive ao Doutor Kleysson, meu cardiologista, que atualmente é o maior adversário do meu Coelhão. Já me disse que não há remédio pro coração que resolva o problema de quem torce pro América. Mas fico tranquilo, porque se meu coração estiver para sofrer um ataque, o Juninho ou o Messias desarmam!

A nação americana, limitada atualmente a norte pelo Fluminense e a sul pelo Botafogo, chegou a 20 pontos em um jogo que teve todos os ingredientes de tensão possíveis, com exceção de uma expulsão. O Santos teve duas bolas na trave, 31 finalizações e muita posse de bola, mas como a expressão da moda é “saber sofrer”, sofremos mais do que nunca. Inclusive soubemos sofrer com a dignidade de um poeta, de um personagem da poesia épica.

Nova era?

Como não vi os jogos contra as meninas e contra o Paraná, a era Drubscky só me atingiu psicologicamente. Na coluna anterior, acreditava que não funcionaria. E como disse o Barão de Itararé: “De onde não se espera nada é que geralmente não vem nada mesmo”. Na verdade  a era Drubscky passará na história do campeonato 2018 como um “bode na sala”.

Você e sua família mudam para um apartamento pequeno e todos reclamam que não há espaço, que antes era melhor e etc. O pai da família compra um bode e coloca no meio da sala. O bode, sendo um bode, faz as coisas de um bode. Defeca na sala, faz barulho, come o sofá e incomoda a todos. O pai da família então vende o bode e todos acham maravilhoso o novo espaço aberto.

42963004744_fb498ac65e_k

Fonte: Mourão Panda(@photompanda) / América MG

Sendo assim, a chegada de Adilson Batista após o bode foi muito bem aceita por todos nós. Se Adilson fosse contratado na parada da Copa, imagino que a resistência a ele seria muito maior, com toda a discussão sobre o tempo que ficou parado e seus últimos trabalhos.

Ainda é cedo para que Adilson tenha feita alguma mudança mais efetiva no time, mas ao que parece provocou uma vibração positiva no time, o que o Judas Moreira devia e muito. Tem apostado na experiência, jogando com Wesley, Magrão e Marquinhos por exemplo.

Acredito que Adilson Batista tem tudo pra dar certo no Coelho. É um estudioso, mesmo que goste de inventar o ininventável de vez em quando. Entre as opções que se dispuseram ao Coelho, acho que é uma das melhores. Só acho uma pena que tenhamos perdido a parada da Copa em uma era desnecessária e infrutífera.

O jogo

Na minha opinião, jogamos muito bem defensivamente e quase zero no ataque. Entendo que por opção do treinador em jogar fechadinho. Valem os três pontos.

João Ricardo muito bem, Matheus Ferraz evoluindo. Messias e Juninho verdadeiros monstros em campo. Magrão não comprometeu. Como destaques negativos, Marquinhos que só sofreu o pênalti em 90 minutos e Aderlan, que deixou muitas brechas na defesa.

No próximo jogo contra o Palmeiras temos uma missão dificílima, mas precisamos comparecer em peso!

Foto da Capa: Mourão Panda(@photompanda) / América MG

Este não é um pós-jogo

A quinta-feira de Américo Coelho já começou “quente pelando”. Um pique de luz noturno queimou seu rádio-relógio, que por 30 anos o acorda às seis da manhã, em geral com a voz de Bruno Azevedo, Alvaro Damião ou Ênio Lima. Mas hoje o cansaço da semana pesou sobre ele e acordou com o barulho do interfone quase às nove, aos sustos, com a voz mecânica informando que um oficial de justiça o aguardava com uma intimação. Lembrou-se de Simone, ex-esposa de mais de 20 anos, que se separava dele. Recebida a intimação, banho, roupas, chaves e um pingado na padaria perto do serviço. Mas tudo iria melhorar: Hoje tem jogo do Coelhão!

Theo era só felicidade naquela quinta.  Hoje era o dia. Já não aguentava a zoeira que seus colegas de colégio lhe aplicavam toda vez que o América perdia um clássico e no final do Campeonato Mineiro, chegou a ganhar uma suspensão por mandar um “Vai tomar caju, cachorrada!” na cara de um dos imbecis colegas. Mas aquele era o dia. Já esperava o que ia rolar no Decadentes do pós-jogo. Já se via desfilando na Educação Física da sexta-feira com a camisa verde e dourada de sua paixão. Ele e Vicente, a dupla de zaga coelhônica do Colégio.

Miguel Americano só conseguia pesar em duas coisas naquela quinta: as centenas de tarefas a serem feitas no dia e o clássico da noite. Acordou cedo e enquanto tomava banho, ouvia Bruno Azevedo na Itatiaia falar sobre o América e se animou. “Hoje é nosso!” Tomou café forte com uma broa regular, que lhe parecia excelente pelo amor com que Sônia, sua esposa, a fez. Chaves, carro, pasta e filho na escola, com a lembrança de que mais a noite tinha jogo. Ao chegar no fórum, despachou algumas intimações a uns pobres diabos e chamou Ricardo, colega de trabalho atleticano, para um café com resenha. Disse a ele: “Hoje é nosso!”

A Tarde

Américo entrou pela porta do trabalho às 11 horas, parcialmente por conta do ônibus que quebrou. A outra porção do atraso vinha da pouca vontade de chegar ao trabalho no banco. O colega já o encontra em tom de gozação na porta dizendo: “Boa tarde, Bela Adormecida!”. Outro colega comenta sobre a crise e de que um novo corte de funcionários está chegando. Pensa que empresas não tem coração, tem CNPJ. Com saudade do filho, que via muito pouco depois da separação, mandou um WhatsApp perguntando se queria ir no jogo. Um de seus poucos orgulhos era ter feito o filho americano, mesmo o tendo levado a um América x União Luziense pelo Módulo 2 do Mineiro. Recebeu um “joinha”, aquela mãozinha com um dedo levantado que diz quase tudo ou quase nada.

Na prova de matemática do dia, Theo se deu bem ao contrário de Vicente. Os dois estudaram juntos, mas algo parecia estar perturbando o colega, que parecia mais triste e arredio nos últimos meses. Combinaram de estudar na casa de Theo no Bairro Floresta e depois irem a pé pro jogo, afinal a prova de História da sexta prometia.

O dia de Miguel continuou ocupado, monótono e sem graça. Ocupado, monótono e sem graça até as 20:00. Basta essa linha.

A Noite

Américo saiu do banco o mais rápido que pode. Sua vida andava tão complicada quanto um quebra-cabeças sem cores. Ao passar em casa, uma mensagem do filho no WhatsApp:

“Passa aqui pra gnt ir p jogo mas n vem na porta n q a mamãe tá uma fera. Me espera na casa da vovó.”

A casa da mãe era perto de sua ex-casa e lá se encontrou com o filho e com o colega. Todo o dia está perdoado. Agora era Coelhão com o filho. O Atlético tem jogado conosco como um time do interior, nos contra-ataques, na covardia. Quem sabe não era hoje que o Judivan desencantava…

O estudo dos meninos se resumiu a falar do jogo e ver alguns vídeos sobre História do Brasil Colonial no YouTube. Theo estava feliz porque tinha sido aceito no grupo de WhatsApp dos Decadentes. Vicente nem se interessou. Foram para o jogo conversando sobre o Luan, Ademir Fumacinha e Enderson Moreira. História para eles agora só se falasse do Jair Bala, Pedro Omar e Juca Show.

Miguel saiu tarde do fórum e antes combinou com o filho para se encontrarem no Indepêndencia, pois o filho era ansioso demais para chegar em cima da hora. Gostava da conversa com os meninos da Barra UNA e de comer um tropeirão no capricho antes do jogo. Pensou que Ademir precisava entrar no lugar do Luan, mas que o Enderson tinha seus preferidos.

O Jogo

Américo é sócio-torcedor no Portão Minas. Como o filho e o amigo chegaram com ele e cada sócio podia trazer dois acompanhantes, botou os meninos pra dentro. Ao mesmo tempo que sai o primeiro gol dos canídeos, uma mão puxa com força o amigo de seu filho e Américo pensa: “Será que o colega é atleticano e comemorou?”

Theo e Vicente estão preocupados. O time parece nervoso. Quando acontece o um a zero, um grande susto.

Miguel chegou esbaforido ao Independência e quando já quase entrava no portão 4 com seu sócio VIP para encontrar com o filho, resolve checar o celular. Uma mensagem no celular dizia:

“Tô no 6 com a Barra UNA.”

Vicente se assustou ao olhar para cima e a mão que puxava sua camisa era a do pai:

– Por que você me fez vir no 6? Gosto de ficar no 4. A visão aqui é um lixo!

– Você veio porque quis. Já quase não te vejo mesmo, tanto faz portão 4 ou 6.

Miguel sentiu a ausência que vivia na vida do filho. O homem que estava junto a seu filho chega próximo para saber o que acontecia e se apresenta. Miguel e Américo conversam sobre o jogo. Um critica Jori, o outro Luan e ambos a Judivan.

Quando o segundo gol do lado presidiário sai, Theo Coelho olha para seu pai como se buscasse nele alento. Américo só tem a oferecer a frase “Vamos virar!”. No intervalo, Miguel e Vicente conversam apenas o essencial.

40850689260_733e6417c3_z

Foto: Mourão Panda (@photompanda) / América MG

A esperança só precisa de uma fagulha. Nada mais adequado para trazer uma esperança que um Messias. O gol reacende a torcida e Miguel e Vicente se abraçam. O sonho de um gol redentor une o que a vida separa. O time parece encontrar nova vida em campo, com Ademir pouco acionado mas presente.

Quando o jogo acaba, Américo, Miguel, Theo e Vicente se despem da magia da futebol e todos voltam a realidade. Américo leva o filho Theo a pé até a casa da vó, onde fica vendo o filho acabar de chegar em sua própria casa e doma a vontade de botá-lo pra dormir, mesmo que não tenha feito isso desde que era bem pequeno. Miguel e Vicente estão um pouco mais unidos, mesmo que pela revolta de perder mais um clássico. Amanhã é um novo dia e talvez um dia menos ausente.

Sobre o jogo mesmo, tenho pouco a dizer e disse através dos personagens. Queria sinceramente que nos próximos clássicos, nosso time pensasse nesse texto e no quanto poderiam ter escrito um final melhor.

Continuo apoiando o grupo e o técnico, mas é preciso rever seriamente a vontade demonstrada pelo time em clássicos.

Jairo Viana
twitter.com/jairovianajr

Continuar lendo

Mais um capítulo da história

Recordar para inspirar: 

Dia: 17 de Maio de 1964.

Era o clássico das multidões. Um ano antes da inauguração do Mineirão. As batalhas eram até então no Independência, dividido ao meio.

A bola mal sai do círculo central e o América parte pra cima. Jair Bala estufa as redes logo no primeiro minuto. A torcida americana explode. O Atlético, visivelmente nervoso, até com jogadores discutindo entre si, não enxerga novo ataque americano. Jair Bala de novo, logo aos três minutos de jogo. 2 a 0. Técnico Bijú não se contém e pula como louco de alegria. Na divisa das torcidas, que mal tinham corda de isolamento, já eram vistos troca de sopapos entre atleticanos e americanos. O clássico na saída já era quente.

Zé Horta lá da defesa orienta e pede calma pra tocar a bola. Era o América administrando. Afinal, o clássico caminhava com o nosso 2 a 0. Fim do primeiro tempo. Segundo tempo o Atlético está enfurecido. Parte pra cima. A massa alvinegra exige a busca do resultado. Logo aos nove minutos, Viladôniga marca. O lado alvinegro explode. Jair Bala sinaliza pra ter calma. Americanos na arquibancada apreensivos. Atlético abre a caixa de ferramenta e tenta na pancada intimidar o Coelho. As veias dos narradores quase saltam. O clássico sacode o Independência. Logo aos 13 do segundo, com o Atlético partindo todo pro ataque, América arma o contra-ataque. Mortal. Dario prestes a marcar, a defesa do Atlético achando que podia fazer o que quiser, levanta o atacante americano a dois metros de altura na área. É pênalti senhoras e senhores. Sérgio corre e marca. Coelho 3 a 1. Nessa altura do campeonato, as táticas deram lugar para cada um buscar de qualquer forma o resultado. Aos 15, o defensor alvinegro Bueno marca. O Atlético tinha a fama de nunca entregar o resultado. Corriam até o fim. 3 a 2 e o coro da massa embalava que a virada estava chegando. Aos 21, Jair Bala, sempre ele, entra driblando e confere. Americanos davam cambalhotas nas arquibancadas. 4 a 2. América buscava essa diferença para ter tranquilidade nesse torneio triangular. Mas o Atlético não entregava os pontos. E aos 36, num momento em que os nervosismos estão à flor da pele, JAIR BALA, de novo, 5 a 2. Acaba a partida nos 45 cravado, o juiz já estava doido para encerrar, pois alguns mal perdedores já incitava do lado de fora acabar o jogo de “outra forma”, no braço.

Jair Bala, fantástico. Em 1964, só no Independência, marcou 25 gols pelo Mineiro. É o maior artilheiro do Independência por uma edição do Mineiro. Momentos que marcam uma vida toda. E que os novos torcedores precisam saber o legado pesado da camisa americana e sua vocação pela eternidade.

17 de Maio de 1964 : América 5 x 2 Atlético

Um momento na história.

Foto do time vice-campeão estadual de 1964.

Time vice-campeão estadual de 1964. Em pé: Klebs, Catocha, Zé Horta, Zé Ernesto, Murilo e Zé Emilio Agachados: Saci, Luizinho, Jair Bala, Dario Alegria e Sérgio.

Retomando o fôlego:
A história, além de tentar evidenciar os erros para aprendermos com eles, também possuem efemérides que inspiram. Inspirar porque a tradição exige uma responsabilidade para fazermos um presente melhor e um futuro promissor. O maravilhoso “Planeta América” está aí para não nos deixar mentir.

Esquadrão Enderson:

ademir

O COELHÃO 2018 proporciona uma organização jamais vista do América na era dos pontos corridos, na série de elite do futebol nacional.  Mesmo com substituições e variações de posicionamento, o time mantém o equilíbrio. Isso nos dá confiança para irmos pro clássico com a sensação que podemos sim buscar o resultado. Cabeça no lugar, podemos continuar na incrível série de vitórias em casa. Em pontos corridos, cada jogo não deixa de ser um mata mata. Pontos por pontos, traçaremos nossos objetivos. Apesar da confiança, sabemos das históricas adversidades. Por isso todo cuidado é pouco.

Todos à nossa CASA.

Abraço verde. 

Mário César Monteiro
twitter.com/MarioMonteirone

Continuar lendo

Adquira aqui seu tijolo do América!

No começo dessa semana, tive uma felicidade muito grande. Recebi em casa um tijolo, com uma placa de metal, dizendo que eu fazia parte da história do América, acompanhando um convite para que eu conhecesse o projeto do nosso novo CT. Sinceramente, me senti feliz e ao mesmo tempo, um impostor.

Explico: Quanto mais eu pensava, mais gente eu achava na minha mente que fizeram mais que eu pelo América. Eu recebi um tijolo porque sou associado cotista, o que diz simplesmente que em algum momento eu comprei uma cota do clube, que vale mais que barras de ouro. Mas ainda assim o “evento gerador” do tijolo, como se diz em contabilidade, da minha contribuição para a história do América foi um cheque.

Lembrei de muita gente que merecia mais um tijolo do que eu. Pensei no Saraiva e no Marco Antônio; pensei no colega Marinho Monteiro;  nos meninos da Seita Verde e da Barra UNA; pensei em meu avô falecido, que se filiou ao América em 1948 (80 anos de América!). Quantas pessoas conheço que doaram seu tempo, dinheiro e sanidade mental pro América. Comprando luvas de limpeza, vassouras, bolas, etc para o time. E cada vez mais me sentia um impostor.

A metáfora de Marcus Salum

Ainda entre orgulhoso e impostor, compareci ao evento porque quando o América convoca, é obrigação do devoto responder. A explicação do presidente do nosso Conselho Administrativo para a ação do tijolo me tornou menos impostor. Nas palavras dele:

“Ninguém é mais importante que ninguém não. (…)O tijolo representa (…) aquele que dá seu dinheirinho no campo, que faz seu filho ser americano, o neto ser americano. Esse é o tijolo, ninguém tem mais direito que ninguém não. A parede só fica em pé se for um tijolo em cima do outro. (…) É um sonho que é nosso. (…) O tijolo representa isso. Se tirar dois, três tijolos a parede cai. Não se constrói nada se não for todo mundo junto. (…) Nós somos o América. Ninguém é mais que ninguém. Nem presidente, nem diretoria, nem ex-presidente, ninguém. O América é de todos. O sonho aqui hoje é de todos nós.”

Já falei na coluna “Mais Bonito não há” sobre o sonho que é o América. E presidente Salum, me permita aprofundar sua metáfora. Somos todos tijolos agora porque a obra coletiva que é o América nos permite finalmente subir paredes. Muitos suaram e choraram para que as fundações e as balizas fossem colocadas em seu lugar. Estamos subindo paredes hoje para que amanhã possamos construir telhados.

Peço perdão pelo título da coluna um pouco enganoso, mas a fala do Marcus Salum nos faz crer que todos já estão ganhando seu tijolo fazendo sua parte.

Planeta América

lanadrumond.png

Área atual e área a ser anexada

O novo CT do América, o Planeta América parece ser um sonho para quem dez anos atrás, estava amargando o rebaixamento para o módulo 2 do Mineiro. Com 165.000 metros quadrados de área, teremos o maior Centro de Treinamento de Minas Gerais e um dos maiores do Brasil. Como comparação, o C.T. de Vespasiano tem 90.000 metros quadrados e as Tocas 1 e 2 SOMADAS, possuem 143.000 metros quadrados. A sinergia das categorias de base e a equipe profissional convivendo todas em um mesmo espaço tende a produzir resultados excelentes, pois permite a troca de experiências entre as equipes e uma maior identificação do atleta com seu clube formador.

O Americano tem muito do que se orgulhar. Vivemos um tempo que não me lembro de outro tão bom no América. O que mais temos pela frente são obstáculos. “Mares calmos não produzem bons marinheiros”. Sairemos sempre mais fortes de todos eles.

Um grande abraço a todos e domingo nos encontramos no Independência!

Jairo Viana
twitter.com/jairovianajr

Créditos da Foto de Capa: Mourão Panda (@photompanda) / América MG

Continuar lendo