Canção do Exílio

Não vou ao jogo de amanhã.

Todas as noites em que há jogo do Coelhão fico tentado a matar aula para ir pro jogo. Aí lembro que sou o professor e não posso fazer isso. Mas na próxima quinta-feira, não terei nem essa vontade.

Nossos jogadores e comissão técnica merecem muito nossa  presença e são a única razão que me entristece de não estar lá. Esse grupo fez por merecer nosso apoio, mesmo com todas as críticas e cornetadas que usamos a gosto. Como em toda boa família, criticamos a quem amamos, mas os protegemos da crítica do outro de fora. Essa equipe se classificou em segundo, à frente do time da federação, mesmo tendo sofrido com as arbitragens e com os esquemas extracampo, que foram desde fofocas com o nome do técnico até a escolha de posicionamento da torcida no jogo de amanhã. Portanto, o justo seria sermos presença em qualquer partida onde se exiba nosso escudo. No sentido financeiro, a diretoria se esforçou para tornar acessível o preço salgado de R$ 100,00 o ingresso inteiro. Sócio Onda Verde poderá adquirir o ingresso pelo preço de meia e ainda tem direito a uma cortesia, transformando o preço em virtuais 25 reais, se você levar uma companhia.

Desequilíbrio

Entretanto, o jogo de amanhã está revestido de uma capa de infâmia e injustiça. O time da federação se classificou em terceiro graças a uma série de “erros” da arbitragem, que começaram naquele jogo do turno contra nós. Todo Campeonato Mineiro é influenciado por esses erros, que sempre ocorrem a favor da dupla, mas sobretudo a favor dos caninos. Quanto pior o time de Vespasiano naquele ano, mais erros acontecem a favor deles. Deve ser algum mecanismo de compensação cósmica, acredito. Uma espécie de karma canino, sempre cobrado a preço justo nos campeonatos nacionais, onde os erros costumam acontecer contra eles. Acho é pouco.

Além da questão moral, existe a questão da segurança. Fomos colocados no portão 3, na Rua Pitangui. O contrato de cessão com o Estado garante que todas as arquibancadas da Pitangui sejam cedidas a torcida do América em qualquer jogo em que participar, conforme o inciso 9.4.16 destacado abaixo, disponível aqui na página 19 do Contrato de Concessão de Uso da Arena Independência. Portanto, suponho que a diretoria americana abriu mão dos portões superiores da Pitangui em troca de algo. Mais uma vez, SUPONHO! Talvez a possibilidade de que nosso sócio torcedor Onda Verde tenha o desconto proposto. Se não houve nenhum tipo de acordo, estamos simplesmente dando lucro ao rival.

pitangui

Como estamos isolados no portão 3, a cachorrada ocupará a Pitangui, nossa faixa de Gaza, pois tem acesso aos portões 4 e 6 . Fico muito triste em pensar na Dona Zuzu ou no Tio Wagner tendo que atravessar essa barricada de ignorantes ouvindo piadinhas e insultos, apenas por estarem como sempre vestindo as cores americanas. Se nenhum de nós merece essa situação, que dirá boa parte da nossa torcida, que já acompanham o Coelhão por mais tempo do que temos de idade. Se indignem ao pensar em um deles, ali onde as organizadas se organizam no portão 3, recebendo um copo de chuva dourada e quente vindo do portão 4, da mão de um dos babacas que existem nessa torcida. Os poucos americanos que forem ficarão abrigados sob a laje, acuados. Com sorte, acuados apenas pela chuva que é prometida para amanhã pelos meteorologistas, chuva que cairá sobre justos e injustos.

Não estou propondo boicote. Eu mesmo não posso e não quero ir. Mas cada americano sabe sua disposição e vou louvar aqueles que forem mesmo sob todas essas circunstâncias.

A justa retribuição

No entanto, a nação americana torcerá pela vitória que vingará todas essas injustiças. Caso isso aconteça, devemos lotar o independência no domingo. Caso não aconteça, também devemos lotar o independência domingo.

Mahatma Gandhi, ao denunciar o quanto os indianos sofriam com a dominação inglesa, levava multidões aos campos de extração de sal para que estes simplesmente ocupassem seus espaços, sem violência. Os soldados ingleses de Lorde Mountbatten batiam nos indianos passivos, tornando ridícula uma luta dos que batem contra os que simplesmente queriam seu espaço. Então, não importa o resultado, vamos invadir o Independência domingo, com nossa família e amigos. Leve todos. Mais bonita que um jogo de futebol é a batalha filosófica que esta semifinal se tornou.

Jairo Viana
twitter.com/jairovianajr


PROGRAMA SÓCIO-CORNETEIRO: APOIE O DECADENTES NO CATERSE
| R$ 5 | R$ 10 | R$ 20 | R$ 50 | R$ 500 (Anunciante) |

ASSINE O CANAL E ACOMPANHE O PODCAST AO VIVO: http://www.youtube.com/decadentes/

ASSINE O PODCAST NO SEU SMARTPHONE: iTunes, Android, RSS, DeezerTuneIn

SIGA OS DECADENTES NAS REDES SOCIAIS:
Facebook: http://www.fb.com/DecadentesAMG
Twitter: http://twitter.com/DecadentesAMG
Aplicativo: http://app.vc/decadentes

A partida de 106 anos

Belo Horizonte , como foi uma cidade planejada, teve uma inauguração oficial: 1897. Logo, em 1912, ano da fundação do América F. Clube, a cidade era uma mera “debutante” de 15 anos.

A cidade nascia quase junto com uma partida eterna, que jamais terminará. Essa partida é o clássico América x Atlético, que já foi América x Athlético, clássico das multidões, galo x coelho, etc. Ao longo das Eras, atravessando ditaduras, cortinas de ferro, Guerras frias, tsunamis, terremotos no mundo, Copas, o clássico resiste a tudo.

Convencionalmente uma partida possui dois tempos. Essa já possui 2.404 tempos, já passou da esfera dos milhares. Começamos bem com a vitória de 1 x 0, gol do Júlio Cunha em 14 de Junho de 1914. Também em 1914 se deu a primeira goleada do COELHÃO, 4 x 0. O campeonato mineiro oficialmente começou como “campeonato da cidade” e só teve início em 1915. Sim, senhoras e senhores. O clássico é mais velho que até o Campeonato Mineiro. O clássico existe antes da estratosfera, das placas tectônicas, ouso a dizer que Caim e Abel estiveram cada um de um lado, vestindo os panteões dos dois clubes em algum embate do Prado Mineiro.

Foto de Marinho Monteiro ao lado de Jair BalaAo longo das décadas, o COELHO foi visto de formas diferentes. Era a máquina demolidora do Deca, depois o contestador do profissionalismo, a fênix da ressurreição da Nova Alameda, o resistente da tríplice coroa, o tradicional da era Mineirão, regido pelo maestro Jair Bala, o quase extinto dos anos 80,  a retomada das grandes vitórias em clássicos dos anos 90 e a reconstrução dos ano 2000.

Independente dessa forma como o América estava, era clássico o Coelho dar a vida no jogo mais importante do ano. E daí surgem exemplos épicos: como o Coelho, que mal tinha campo para treinar, ganhar de uma seleção atleticana com gol do Luís Carlos Gaúcho. Tradição não se explica. Essa partida tem vida própria.

Por ela ter autonomia na sua existência, ela não depende de campeonatos. Ela nasceu antes. Muitos do futebol moderno olham o clássico depois de olhar em que campeonato ele está inserido, ou até mesmo em qual fase, para atribuir relevância. O clássico vem antes disso tudo. Pode ser um inimistoso (amistoso não ouso dizer) ou uma possível semifinal de Libertadores (um dia chegaremos). Não importa. É América x Atlético, antes de tudo. Tem que vencer! Quando digo que é muito mais que 3 pontos, não significa o aspecto de pontuar somente na tabela. É o coração do perpétuo que está em jogo. É mais um tempo daquilo que nunca terá fim. É a auto estima para a nossa sobrevivência institucionalmente. Estranho, “eles”, que se julgam sempre superiores e nos tratam como “mequinha”, simplesmente cobiçam tudo que temos, desde o início da história. Estranho cobiçar aquilo que se julga inferior, não é? São incoerentes até nisso.

Isso não é de hoje:

– Fizeram de tudo para tomar o Independência.

– Fizeram de tudo para colocar arquibancadas metálicas do jeito deles.

– América, histórico revelador de talentos, sempre teve seus craques mega desejados pelos carijós. E pior, era “obrigatório”, na visão deles, passar para eles a preço de banana.

– Várias vezes em priscas eras queriam fundir as estruturas. Fundir no caso para o América deixar de existir e eles manterem todos os seus simbolismos na instituição.

– Usam o 9×2 como a maior partida deles contra o Cruzeiro. Sendo que o 9×2 foi uma partida do contexto dos DEZ anos de títulos seguidos do América. E justo o DECA do Coelho é ACHINCALHADO por eles. Estranho. Enaltecem uma partida e desdenham 10 canecos do mesmo contexto… Isso explica como um jogo pode ser maior que tudo. Sem contar que o Cruzeiro assumiu ter perdido de propósito para o América não abocanhar o 11º título seguido, confissão do zagueiro Ninão e já publicado no Estado Minas e no livro Futebol do embalo da nostalgia, do Plínio Barreto, citação na página 108. Sim, juntaram todas as forças para acabarem com o América. Até duas ligas foram feitas em 1926 para minar a máquina do DECA.

– Alegam ser o clube do povão sendo que tem os ingressos mais caros e o sócio-torcedor mais elitista do futebol mineiro. Chamam o nosso COELHO, o time das entradas mais modestas e populares, como excludente. América, justo o único clube fundado por negro em Belo Horizonte, Geraldino de Carvalho. Aquele formado por crianças que aceitavam tudo e todos em seu quadro, com o nome escolhido por uma menina num sorteio, Alda Meira, que aceitou até os dissidentes do Atlético na famosa briga de 1913, aonde gente lá de dentro saiu e prometeu acabar com eles, o que foi realmente feito, já que o deca campeonato de 1916-1925 foi construído com auxílio daqueles ex-alvinegros que juraram vingança. O nosso reduto até os dias de hoje é o ambiente mais familiar do futebol mineiro. É muito comum se cumprimentar aquele que jamais conversou com a gente, ou enturmar logo de cara. Por isso é comum muitos americanos irem sozinhos ao campo e mergulhar nesse universo de novas e antigas amizades.

Posso ficar o ano inteiro citando fatos. Um ano não é nada pra aquilo que é eterno. Assim, até na antiga “purrinha” na frente do Café Nice, se tiver um atleticano do outro lado, é vencer ou ganhar.

Aliás, é costumeiro conhecermos o clássico antes mesmo de ir ao jogo propriamente dito. Meu saudoso avô, me levando para o parque dos Mangabeiras, ao levar uma fechada acintosa na av. Afonso Pena, com todo pudor, avisa: “sai pra lá atleticano”. Para uma criança de cinco ou seis anos, entendia que era o pior dos xingamentos. E com o tempo, tive trabalho para “desfazer” essa lavagem cerebral.  Se bem que quando ouço o soar do apito de mais um tempo dessa batalha, aquela criança aparece ao meu lado caladinha e segura a minha mão. Há mais de 30 anos.

O Mineirão ou o Independência com um barulho ensurdecedor da vibrante massa rival, é o cenário que faz um modesto time americano encarar ataques milionários. São os dedos cruzados de cada americano. É o típico jogo em que até os que se foram descem à Terra para conferir.

Esqueço o campeonato, ou a fase. Em qualquer situação, balançar a rede alvinegra me faz a pessoa mais feliz do mundo.

Todos ao Independência para apoiar os comandados do Enderson Moreira. Eles passam, as camisas dos dois times continuam se digladiando. A camisa deles, eles torcem contra o vento. A nossa é mais pesada porque tem sangue jorrado pela luta da sobrevivência. E sangue não evapora como água do suor. Fica no tecido, marcado. Não sai nem com lavagem. Não torcemos contra o vento. Rimos dos furacões.

América, eu te amo.

Mário César Monteiro
twitter.com/MarioMonteirone


ASSINE O CANAL E ACOMPANHE O PODCAST AO VIVO: http://www.youtube.com/decadentes/

ASSINE O PODCAST NO SEU SMARTPHONE: iTunes, Android, RSS, DeezerTuneIn

SIGA OS DECADENTES NAS REDES SOCIAIS:
Facebook: http://www.fb.com/DecadentesAMG
Twitter: http://twitter.com/DecadentesAMG
Aplicativo: http://app.vc/decadentes

Santo de casa não faz milagre…

Headere_Estatisticas_2018

Existe uma teoria de parte da torcida americana: técnicos mineiros no América respeitam demais a dupla fajuta.

Pra comprovar isso (ou não), o Decadentes fez um levantamento dos últimos 13 anos, de 2005 até hoje. Nesse período passaram pelo Coelhão 23 técnicos, mas somente 16 ficaram aqui tempo suficiente pra jogarem contra Atlético/Patético e Cruzeiro/Marias, são eles:

Os mineiros Léo Condé, José Angelo, Flávio Lopes, Vantuir Galdino, Procópio Cardoso, Alemão, Marco Aurélio, Mauro Fernandes, Moacir Junior e Enderson Moreira. E os forasteiros José Maria Pena, Nedo Xavier, Givanildo, Paulo Comelli, Silas e Sérgio Vieira.

Nesses 13 anos, jogamos contra a duplinha 52 vezes, entre amistosos e jogos oficiais, seja no mineiro, no brasileiro ou na primeira liga e nosso retrospecto geral é modesto: são somente 9 vitórias, 17 empates e 26 derrotas. Um aproveitamento de somente 28,2%.

Desses 16 técnicos, 10 nasceram em Minas Gerais e 6 são forasteiros. Entretanto, a quantidade de clássicos dirigidas por mineiros e forasteiros é bem próxima. dos 52 jogos, 28 foram dirigidos por mineiros e 24 por “estrangeiros”.

E, pelo menos neste período analisado, a teoria se comprova. Veja no quadro abaixo:

2005 a 2018 Vitórias Empates Derrotas Aprov
Técnicos Mineiros 2 9 17 17,9%
Técnicos Forasteiros 7 8 9 40,3%

Mesmo com 4 jogos a menos, os treinadores de fora das montanhas das alterosas têm um retrospecto maior que o dobro dos mineiros.

Dos citados acima, o que mais disputou clássicos é o velho  Givanildo “Mito” Oliveira com a marca de 18 clássicos nesse período sendo 6 vitórias, 8 empates e 4 derrotas, um aproveitamento de 48%.

Já nosso atual técnico, o mineiro Enderson Moreira (não confundir com o “Pospiranga”) não tem o mesmo desempenho, mesmo estando a quase 600 dias dirigindo o Coelhão mais heavy metal do mundo, não conseguiu uma única vitória em clássicos sendo 7 jogos até agora com um empate e seis  derrotas, retrospecto de 4,7%.

Veja nos quadros abaixo o retrospecto de todos os técnicos citados:

Técnicos Mineiros Vitórias Empates Derrotas Aprov.
Léo Condé 0 0 1 0,0%
José Ângelo 1 0 0 100,0%
Flávio Lopes 0 3 0 33,3%
Vantuir Galdino 0 0 1 0,0%
Procópio Cardoso 0 0 1 0,0%
Alemão 0 0 1 0,0%
Marco Aurélio 0 1 0 33,3%
Mauro Fernandes 1 3 5 22,2%
Moacir Junior 0 1 2 11,1%
Enderson Moreira 0 1 6 4,8%
Técnicos Forasteiros Vitórias Empates Derrotas Aprov.
José Maria Pena 0 0 1 0,0%
Nedo Xavier 1 0 0 100,0%
Givanildo 6 8 4 48,1%
Paulo Comelli 0 0 2 0,0%
Silas 0 0 1 0,0%
Sérgio Vieira 0 0 1 0,0%

Está na hora de pensar racionalmente e entender que em Minas existem três grandes: o América e outros dois  já citados acima, sendo assim é hora de  enfrentar a duplinha como se enfrenta o Vila Nova.

O América nada teme!

Sérgio Tavares e Ramon Gregório


ASSINE O CANAL E ACOMPANHE O PODCAST AO VIVO: http://www.youtube.com/decadentes/

ASSINE O PODCAST NO SEU SMARTPHONE: iTunes, Android, RSS, DeezerTuneIn

SIGA OS DECADENTES NAS REDES SOCIAIS:
Facebook: http://www.fb.com/DecadentesAMG
Twitter: http://twitter.com/DecadentesAMG
Aplicativo: http://app.vc/decadentes

O que Enderson Moreira pode tirar do primeiro clássico

Neste início de temporada e numa 1ª fase de campeonato, o resultado não importa tanto quanto a partir das quartas de final.

E em que o jogo contra o Cruzeiro interessava? Deveria ter sido um teste de como se postar diante de adversários da Série A. Mas o América de Enderson Moreira não conseguiu tirar proveito da partida, já na formação tática.

Esse era o meu medo desde que entendi que Enderson Moreira continuaria no clube. Achei que ele poderia – e deveria – mudar um pouco sua postura agora que está na Série A, mas essa esperança diminuiu um pouco depois desse clássico.

Enderson colocou três atacantes, com Aylon aberto na direita, Luan à esquerda e Rafael Moura mais centralizado. Quem utiliza três atacantes tem que propor o jogo, chegar ao gol adversário, finalizar. E, para isso, precisa ter atacantes de muita qualidade, o que não é o caso. Senão, vai dar espaço ao adversário, já que os homens de frente não são exímios marcadores como os volantes.

E foi isso que aconteceu.

O América não conseguiu levar tanto perigo e, com um volante a menos do que deveria, deixou o adversário fazer as triangulações e os toques de primeira que ele próprio precisava ter feito, já que quer propor o jogo. Luan não tem qualidade para as tabelas, erra a grande maioria dos passes, a tendência é que não evolua a ponto de ajudar na Série A. Deveria ter começado no banco, com um volante em seu lugar.

Rafael Lima e Messias exageraram nos lançamentos longos para o ataque, pois havia um jogador a menos para rodar a bola no meio-campo (o terceiro volante). Com isso, os volantes pouco participaram da armação das jogadas no primeiro tempo, o que diminuiu muito nosso poder de fogo. Rafael Moura até dominou as bolas altas, mas não deu sequência aos lances.

Dando a bola ao adversário a todo momento, o América não conseguiu propor o jogo e sofreu pressão do adversário. Até no gol, pode-se ver que Giovanni estava mal posicionado, fora da lateral. Ele quebrou a marcação, Rafael Lima saiu da área para fazer a cobertura e Zé Ricardo não acompanhou o autor do gol. Talvez não precisasse se houvesse o terceiro volante, a área estaria mais povoada de jogadores americanos.

Curiosamente, o América foi um pouco melhor no segundo tempo do que no primeiro, mas ainda insuficiente para levar mais perigo ao gol adversário. Fica claro que a parte defensiva é isso aí mesmo: volantes, zagueiros e laterais sabem defender. O problema é na armação de jogadas, inclusive pelos volantes, e no ataque. Num próximo texto, vou explorar esse tema um pouco mais.

Homenagem?

Todo mundo percebeu as meias amarelas do Time do Zoológico no primeiro tempo, certo? Deve ter sido uma homenagem ao árbitro da federação mineira, que não deu vários cartões amarelos claríssimos ao adversário durante toda a partida. Isso muda o jogo, pois quem tem amarelo afrouxa a marcação diante do perigo de ser expulso. No segundo tempo, a vergonha foi tanta que voltaram para as meias brancas. Ou, quem sabe, o árbitro tenha avisado de que nem precisava da homenagem, não é mesmo?

ESTAMOS DE OLHO!

Matheus Laboissière


ASSINE O CANAL E ACOMPANHE O PODCAST AO VIVO: http://www.youtube.com/decadentes/

ASSINE O PODCAST NO SEU SMARTPHONE: iTunes, Android, RSS, DeezerTuneIn

SIGA OS DECADENTES NAS REDES SOCIAIS:
Facebook: http://www.fb.com/DecadentesAMG
Twitter: http://twitter.com/DecadentesAMG
Aplicativo: http://app.vc/decadentes

Tremer? Aqui não!

Começamos bem o ano. Em quatro partidas pelo Campeonato Mineiro, foram três vitorias e um empate fora de casa contra a URT. Porém, temos um rival também com um bom início de temporada: o Cruzeiro. O time azul tem o mesmo número de pontos e divide a liderança com o América. Então, nada melhor que um embate pra tirar isso a limpo.

O jogo será neste domingo, no Mineirão. Tem problema ser na casa deles? Nenhum! Somos acostumados a jogar água no chopp deles lá. A Copa Sul Minas conquistada lá, com duas vitórias contra eles nas finais, é exemplo disso.

“Ah, mas eles estão em grande fase”. E daí? A melhor década do time azul foi a de 1990. Conquistaram muitos títulos e montaram grandes equipes. E, nos confrontos entre América x Cruzeiro nesta década, sabe quem levou a melhor? Sim, o América! Foram 11 vitórias do Coelhão, 12 empates e 10 vitórias dos azuis.

Se devemos ter respeito pela equipe deles, eles também devem e tem respeito pelo América atual. Somos uma equipe de Série A, dividimos a liderança com eles. Estamos apresentando um bom futebol, vindo de um título nacional, com jovens talentos e um treinador com capacidade de armar bem nossa equipe.

Além disso, quem tem a fama de tremer não somos nós. Pelo contrário. Somos a resistência! Nunca abaixamos a cabeça para a duplinha e não será dessa vez. Já do lado azul, a fama é de sempre tremer em clássicos. E não apenas contra o alvinegro de Vespasiano. Todos em BH sabem da fama do América em surpreender o Cruzeiro.

Então, torcedor americano, vá ao clássico com a cabeça erguida e com confiança! O nosso patamar atual nos permite confiar em um grande resultado no domingo. Deixe a tremedeira para quem está acostumado com isso.

Walisson Fernandes
twitter.com/FernandesWali


ASSINE O CANAL E ACOMPANHE O PODCAST AO VIVO: http://www.youtube.com/decadentes/

ASSINE O PODCAST NO SEU SMARTPHONE: iTunes, Android, RSS, DeezerTuneIn

SIGA OS DECADENTES NAS REDES SOCIAIS:
Facebook: http://www.fb.com/DecadentesAMG
Twitter: http://twitter.com/DecadentesAMG
Aplicativo: http://app.vc/decadentes</str

Descadeantes #058 – Flamengo 1×0 América (Primeira Liga)

decadentes_thumb-058

Deu não… Flamengo B- 1×0 América AB+. Dava pra ganhar, mas uma bobeada no início do jogo sacramentou o placar e deu ao Framengo a possibilidade de administrar a partida. São pouquíssimas as nossas chances de classificação na Primeira Liga, mas isso não importa muito. O que vale é o clássico de Domingo. Ainda assim, vamos falar do jogo.

Vamos falar também na polêmica dos ingressos, do time feminino e novidades que virão neste programete. (Coisa boa!!!)

ASSINE: iTunes, Android, RSS
Download MP3 – Clique com o botão direito do mouse e escolha Salvar como / Save As


DECADENTES:
http://www.fb.com/DecadentesAMG
http://twitter.com/DecadentesAMG

TIME TITULAR
Cláudio Sálvio [Corneta Americana: fb.com/cornetaamericana | twitter.com/claudio_salvio]
Henrique Pinheiro [Geral do Decacampeão: fb.com/Geral.America | twitter.com/geral_america]
Ramon Gregório
Sérgio Tavares [twitter.com/stsalviano]
Walisson Fernandes

#AcreditaAmérica #DecadentesAMG #Coelhão #CampeonatoBrasileiro